Subscribe RSS
Tartaruga encontrada morta na primeira praia. mar 07

Tartaruga encontrada morta na praia de Morro

Tartaruga encontrada morta na praia de Morro

A máxima que diz; Tudo que é vivo morre, pode ter um contexto óbvio e racional, mas o fato é que a morte ainda é uma difícil realidade, sobretudo aos seres humanos, cujo os sentimentos são subjetivos e nada previsíveis. Se o simples fato de existir já nos torna suscetíveis à morte então o grande barato é não se preocupar muito com ela, a vida caminha e o curso é inevitável a todos, homens, animais, seres invisíveis e todos que respiram, crescem, reproduzem e morrem. Na noite de ontem em Morro de São Paulo, amigos que retornavam à casa por volta das 04:30 da madrugada, ficaram estarrecidos ao se depararem com uma grande Tartaruga marinha morta nas areias da primeira praia. Eles que até então se encontravam em total estado de alegria, tornaram-se como num piscar de olhos, tristes e silenciosos ao ver o corpo do animal ali estendido na beira do mar. Não se sabe se a grande tartaruga morreu por motivos naturais ou se a morte foi causada intencionalmente por algum predador marinho ou até mesmo pelo homem, o que se sabe é que a cena acarretou tristeza e desconforto ao grupo que caminhava pela praia. A vontade que se tinha era de ficar ao lado dela, admirando suas cores e seu enorme casco, tentando de alguma forma traze-la de volta e recoloca-la ao mar, mas isso era algo impossível. De repente aquela Tartaruga não era só um animal marinho ameaçado de extinção, não era apenas uma espécie nem muito menos um ser irracional, naquele momento aquela Tartaruga era um de nós, era a extensão do homem na sua forma mais sofisticada. Se pararmos para analisar que vivemos em um ecossistema interligado formando um todo, e que fazemos parte deste meio heterogêneo nas diversas formas, a perda deste animal nas águas cristalinas de Tinharé, só trouxe um vazio áos corações sensíveis. Sendo assim, o sentimento de impotência diante da perda, é que faz da morte o pior e mais intrigante fantasma da humanidade.

 

Category: Outras  | Tags: , , ,
You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.
Leave a Reply